Fique Ligado!

Brasil

Mandetta diz que Bolsonaro tinha “assessoramento paralelo” sobre a pandemia

Durante seu depoimento, o ex-ministro da saúde afirmou que Jair recebia orientações de fontes externas

Publicado

em

Mandetta
© Marcello Casal Jr. Agência Brasil Saúde

Em suas primeiras palavras na CPI, nesta terça (04), o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, disse que teve acesso ao que seria uma proposta de decreto presidencial para que  fosse sugerida uma mudança na bula da cloroquina, para indicar o remédio no tratamento da covid-19. Além disso, ele afirmou que Bolsonaro recebia orientações externas : “Ele tinha um assessoramento paralelo”, afirmou Mandetta. 

O ex-ministro também disse que buscou enfatizar uma atuação integrada entre os poderes e os entes federativos e que o Brasil foi um dos primeiros países a questionar, ainda em janeiro, a OMS sobre os rumores do Covid-19.

Mandetta ainda relembrou um episódio em que foi pedido a ele que não falasse nada durante uma coletiva à imprensa sobre a pandemia. “Não queriam fazer uma campanha oficial”, disse Mandetta ao ser questionado quais eram os principais críticos ao seu trabalho no Planalto.

O ex-ministro refutou a alegação de que, sob sua gestão, o Ministério da Saúde orientou a população a não procurar hospitais quando houvesse sintomas leves de covid-19 e disse ainda que Bolsonaro foi alertado das consequências de não ouvir a ciência.

Em depoimento à CPI da Covid, Mandetta disse que jamais pediria demissão do cargo.

 

PUBLICIDADE
2 Comentários
Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
trackback
12 dias atrás

[…] depoimento de ontem, Mandetta também se mostrou contrário ao uso da […]

trackback
6 dias atrás

[…] da Anvisa Antônio Barra Torres, confirmou a informação dada pelo ex-ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta, de que o governo tinha a proposta de alterar a bula da […]

EM ALTA