- Publicidade -
- Publicidade -
Array

Veranistas sofrem com falta de água no Litoral do Paraná

Trending

Quem optou pelo litoral paranaense para curtir o verão está tendo dor de cabeça. A região ainda nem chegou à lotação esperada para o ano novo, e em algumas áreas já há registros de falta de água. Em Pontal do Paraná, as torneiras com baixa pressão foi percebida em diferentes bairros desde a sexta-feira (27).

A situação da falta de água já dura 4 dias em alguns balneários e em outros, a água não consegue chegar às caixas. “Todo ano é a mesma coisa, chega essa época do ano, e a água começa a faltar”, reclama Mariza Lúcio, moradora de Pontal.

A Sanepar, que cuida do abastecimento da região, havia anunciado obras de R$ 250 milhões para resolver o problema. A questão é que as obras jamais chegaram a ser concluídas e o problema persiste há anos.

Em Matinhos, a situação também é a mesma. Falta água nos balneários de Gaivotas, Rivieira e Praia Grande. “Estamos a quatro dias sem água aqui. A gente liga para a Sanepar, e eles pedem pra economizar… Economizar o que não temos?”, lamenta Taison dos Santos, que curte a temporada no litoral.

A estimativa da Sanepar é de que o número de consumidores salte no verão em Matinhos, Guaratuba e Pontal do Paraná de cerca de 90 mil pessoas para 1 milhão até o ano novo, na próxima quarta-feira (1º). De acordo com a companhia, o motivo das faltas de água é justamente a grande quantidade de pessoas.

Segundo a assessoria de imprensa da Operação Verão, a quantidade de água do usada nas três cidades desde o inicio desta temporada já está 11% maior do que no ano passado, dificultando a distribuição do recurso.

Mesmo assim, a Sanepar garante que por enquanto os problemas são pontuais, e em diversas regiões afetadas a água voltou a funcionar normalmente após poucas horas.

Para obter mais informações sobre falta d’água ou baixa pressão, basta ligar para o contato da Sanepar, no 0800 2000 115, e informar o número da matrícula do cliente.

- Publicidade -
- Publicidade -

Últimas Notícias

MP investiga compra de oxigênio para postos de saúde e UPAs de Londrina

Prefeitura pagou três vezes mais pelo produto no auge da pandemia.
- Publicidade -

Sugestões do editor

- Publicidade -