- Publicidade -
- Publicidade -

UFPR calcula fim da pandemia em Londrina para maio de 2022

Trending

Um cálculo realizado por pesquisadores da Universidade Federal do Paraná (UFPR) avalia que somente em 12 de maio de 2022 a cidade de Londrina, segunda maior do estado, terá 95% da população adulta vacinada com a segunda dose da vacina contra a covid-19. O estudo aponta que essa seria a data do esperado “fim da pandemia” na cidade, marcando a entrada da imunidade coletiva, capaz de parar a transmissão do vírus.

Dentre 22 cidades avaliadas no Paraná, com uma regional de saúde, Londrina ocupa a antepenúltima posição, na frente apenas de Jacarezinho e de Ponta Grossa. No estado, a primeira cidade a deixar a pandemia será Paranaguá, com imunidade coletiva prevista para 18 de outubro deste ano – seis meses antes de Londrina.

A matemática aplicada para se chegar aos números foi elaborada em conjunto por pesquisadores da UFPR, da UFPE (Universidade Federal de Pernambuco) e da UFS (Universidade Federal de Sergipe), considerando o andamento da vacinação em Londrina e das demais cidades até o dia 06 de junho.

A tabela divulgada pela UFPR aponta que Ponta Grossa, Jacarezinho e Londrina são as cidades do estado “mais atrasadas” para atingir o índice. Pelas contas dos pesquisadores, a maior cidade dos Campos Gerais, no ritmo atual, só terá imunidade coletiva em 30 de junho de 2022 – quando 95% da população adulta estará vacinada com as duas doses.

Já em Curitiba e em Maringá, a tabela indica o fim da pandemia em 18 de janeiro e 09 de fevereiro de 2022 respectivamente.

O estudo foi coordenado por Giovani Vasconcelos, do Departamento de Física da UFPR. A universidade desenvolveu um portal com apoio dos bolsistas Luan de Paula Cordeiro e Bruno Mantovani Czajkowski para acompanhar o cronograma de imunização.

Tabela estima quando as cidades paranaenses terão imunizado toda a população – Foto: Divulgação

“Os dados mostram que é preciso aumentar urgentemente o ritmo de vacinação para que a imunidade coletiva seja atingida em um curto horizonte de tempo”, afirmou Vasconcelos, em entrevista ao portal da UFPR.

O índice preocupou as autoridades. Na segunda-feira (14) o governador do Paraná Ratinho Junior anunciou que o estado vacinaria toda a população adulta até setembro. Além dele, os governadores de São Paulo, Rio de Janeiro e do Maranhão protagonizaram uma “guerra da vacinação, com os estados antecipando cada vez mais as datas da imunização total da sua população.

Caso cumpra a meta prometida até setembro, já em dezembro o Paraná pode atingir a imunidade coletiva. Mas isso depende da celeridade da aplicação nos municípios, bem como o envio das vacinas pelo Governo Federal.

Com informações de Livre.jor

- Publicidade -
- Publicidade -

Últimas Notícias

- Publicidade -

Sugestões do editor

- Publicidade -