- Publicidade -
- Publicidade -

Morre no hospital motoboy que foi baleado durante entrega na zona oeste de Londrina

Jovem foi surpreendido por atirador quando procurava número de casa.

Trending

Morreu nesta manhã no hospital o jovem identificado como Carlos Manoel Marlini, de 19 anos. Ele estava trabalhando como motoboy para uma lanchonete, quando na noite de sexta-feira (15) foi baleado várias vezes durante uma entrega na zona oeste de Londrina.

O jovem foi até um endereço falso na rua Serra das Araras, no Jardim Bandeirantes, para fazer a entrega de um pedido. Quando procurava o número da casa indicada, foi surpreendido pelo atirador que o aguardava dentro de um automóvel GM Ônix branco.

Imagens de câmeras de segurança mostram o momento do crime. Moradores da região relataram ter ouvido aproximadamente dez tiros, dos quais seis atingiram o rapaz. Ele foi baleado nas pernas, braços e ainda na bolsa escrotal.

O motoboy, mesmo ferido, conseguiu se levantar e correu em direção à rua Serra da Esperança onde pediu ajuda a populares que estavam em um bar. O Siate foi acionado e encaminhou o jovem ao hospital, mas durante a madrugada ele não resistiu e faleceu enquanto era submetido a um procedimento cirúrgico.

Foto: Colaboração / WhatsApp

Segundo apurado pela reportagem, o jovem já tinha tido problemas com a justiça, mas foi posto em liberdade e procurou um trabalho numa lanchonete para se manter e pagar suas contas. Cerca de uma hora antes do crime que o vitimou, o rapaz chegou a publicar um status no Instagram onde exibia o local de seu serviço.

Em seguida, o estabelecimento recebeu um pedido de entrega. Mas na verdade, o pedido se tratava de uma emboscada para tentar contra a vida do motoboy.

O corpo dele foi recolhido ao Instituto Médico-Legal (IML) de Londrina. A Polícia Civil, que já está com as imagens das câmeras de segurança, investiga para identificar o atirador envolvido no homicídio.

VEJA AS IMAGENS:

- Publicidade -
- Publicidade -

Últimas Notícias

Senado aprova indicação de André Mendonça ao STF

Indicação de Bolsonaro ficou parada na CCJ por mais de quatro meses.
- Publicidade -

Sugestões do editor

- Publicidade -