Fique Ligado!

Política

Cancelado por Ratinho Junior, hospital da Zona Oeste de Londrina teria 150 leitos

Se tivesse sido feita, obra ajudaria no sistema de saúde da região.

Publicado

em

ratinho03 | 24Horas

A obra do Hospital da Zona Oeste de Londrina, anunciada em 2017 ao custo de R$ 25 milhões pelo ex-governador Beto Richa, contemplaria 150 novos leitos clínicos (50 de UTI) que atenderiam pacientes principalmente das cidades de Cambé, Rolândia e Arapongas, na região metropolitana de Londrina.

Com exceção de Arapongas, as duas outras cidades não contem com leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e dependem de hospitais em Londrina para o encaminhamento de pacientes.

Diante da pandemia de coronavírus, o novo hospital, que ficaria localizado ao lado da Pontifícia Universidade Católica (PUC), na saída para a BR-369, que liga justamente essas cidades, poderia ser referência no tratamento do vírus para os moradores da região.

Entretanto a obra foi cancelada em janeiro de 2020 pelo governador Ratinho Junior (PSD) que alegou custos altos para tirar o projeto do papel. Além da população da Zona Oeste de Londrina, estimada pelo IBGE em 90 mil habitantes, o hospital também atenderia outros 350 mil habitantes das três cidades.

Em Arapongas, por exemplo, o Hospital do Norte do Paraná (Honpar) que atende pacientes encaminhados de Rolândia e Apucarana, não conta com mais leitos para tratar contaminados pelo coronavírus. Sendo assim, há a necessidade do encaminhamento dos pacientes para Londrina. Se estivesse em operação, o Zona Oeste reduziria consideravelmente a pressão sobre o Honpar.

FALTA DE DINHEIRO?

O dinheiro para a construção do hospital chegou a ser reservado pela Secretaria Estadual de Saúde (SESA), mas acabou sendo congelado em janeiro do ano passado pelo governador no chamado “contingenciamento”. Na prática, isso significa que o governo não enxergou algo essencial na obra de mais um hospital na região de Londrina.

Por outro lado, de janeiro a maio de 2020 o governo gastou R$ 132 mil por dia em publicidade, o equivalente ao preço de um automóvel de luxo. No período, foram mais de R$ 20 milhões com despesas desse tipo, pagos pelo governo a emissoras de rádio, TV e jornais. As informações constam no Portal da Transparência. (VEJA AQUI OS GASTOS)

O Secretário de Saúde Beto Preto não descartou que a discussão em torno da construção do hospital seja fomentada ainda nessa gestão. Mas não acredita no entanto que o projeto saia do papel tão cedo. “Precisamos de equipe, médicos, enfermeiros, toda equipe engajada, isso custa dinheiro. Então, simplesmente construir o hospital, mesmo que a PUC vá fazer sua administração, vai acabar consumindo dinheiro“, disse em janeiro de 2020 durante uma entrevista à Rádio Paiquerê, de Londrina.

A meta do governo era reorganizar os hospitais já existentes. Por hora, a única ação efetiva do governo durante a pandemia em Londrina é a ampliação dos leitos no Hospital Universitário da UEL, e a criação de uma unidade de resguardo, com leitos destinados exclusivamente a pacientes com coronavírus.

Tanto o hospital de resguardo, quanto os leitos de terapia intensiva já estão operado no limite da capacidade e até acima dela. São 109% de lotação das UTIs e 132% nas enfermarias.

PUBLICIDADE
3 Comentários
Subscribe
Notify of
guest
3 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fernando
Fernando
2 meses atrás

Será que que se fosse para construir um estádio de futebol em uma cidade remota do estado ele iria barrar?

Ecr
Ecr
2 meses atrás

Eu adoraria saber o nome do autor da matéria.

EM ALTA