Esquerda e Direita se unem em protesto pelo impeachment de Bolsonaro no dia 12

Centrais Sindicais confirmaram adesão a ato organizado pelo MBL.

- Continua depois da publicidade -

Trending

Cinco das seis principais centrais sindicais brasileiras, com exceção da CUT (Central Única dos Trabalhadores) anunciaram que vão participar dos protestos do MBL pelo impeachment de Bolsonaro no próximo domingo (12). O ato está programado para acontecer na Avenida Paulista, em São Paulo, e nas principais cidades brasileiras.

O MBL, que organiza o ato, é um dos movimentos que esteve à frente das manifestações que antecederam o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) em 2016. Mais recentemente, o movimento também passou a pedir a destituição de Jair Bolsonaro da presidência da República, e convocou o protesto para 12 de setembro.

Muito embora existam fortes divergências ideológicas, 5 das 6 centrais sindicais aderiram à mobilização do MBL com a avaliação de que o momento exige união de todos que são contrários ao governo de Bolsonaro.

“A pauta é o Fora Bolsonaro. Temos que unificar essa luta para sair dessa crise”, disse Miguel Sindical, presidente da Força Sindical.

“Há divergências ideológicas que lá na frente podem nos colocar em lados opostos, mas, nesse momento, é preciso estar junto pelo que nos une”, concluiu.

Em uma nota conjunta publicada nesta quarta-feira (08), a Força Sindical, a UGT (União Geral dos Trabalhadores), a CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros) e a NCST (Nova Central Sindical de Trabalhadores) dizem que é necessário “cerrar fileiras em defesa de democracia e das instituições da República”.

“No próximo dia 12 de setembro será realizado um grande ato na Av. Paulista, em São Paulo/SP, pelo impeachment de Bolsonaro, ato que convocamos e participaremos. Nossa linha é, sempre, frente ampla em defesa do Brasil e da democracia!”, afirmam as centrais.

A Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB) não assinou a nota, mas também afirma que participará do protesto do MBL. O presidente da central, Adilson Araújo, afirmou que é necessário “fortalecer a corrente pelo impeachment”.

Leia a nota na íntegra:

Foi deplorável a participação do Presidente Jair Bolsonaro nos atos antidemocráticos realizados no dia que deveríamos comemorar o 199º aniversário da Independência do Brasil. É inquestionável que o objetivo do Presidente e de seus apoiadores é dividir a Nação, empurrar o país para a insegurança, o caos e a anarquia, resultado da reiterada incitação ao rompimento da legalidade institucional, do descumprimento dos preceitos contidos na nossa Constituição democrática.

Os discursos do Presidente soam como confissão: agitar contra a democracia e o Supremo
Tribunal Federal é crime tipificado na Constituição da República Federativa do Brasil – crime de responsabilidade, no qual ele deve ser enquadrado imediatamente, abrindo-se o processo de impeachment. A Câmara dos Deputados, o Senado Federal, a Procuradoria Geral da República e o Supremo Tribunal Federal tem a obrigação de cumprir com seu papel constitucional e implementar o processo de impedimento, sem tergiversações.

A pauta única de Bolsonaro, golpista e antidemocrática, é tão evidente que não ouvimos do
presidente nenhuma palavra para aliviar a situação grave do emprego, do preço da carne e, principalmente, da cesta básica, dos aumentos da energia elétrica e dos combustíveis, dos baixos salários, ou seja, nada que interesse à população e aos trabalhadores ou que aponte para um projeto para o pais.

Seu único interesse é permanecer aferrado ao poder mesmo que isso signifique romper a legalidade democrática, visto que é cada vez mais evidente seu isolamento político e a perda de apoio popular, em suma, seu projeto de reeleição escorre entre os dedos.

Conclamamos todos os setores políticos democráticos, as organizações representativas da
sociedade civil, o mundo da ciência e da cultura, os trabalhadores e suas entidades sindicais a cerrar fileiras em defesa da democracia e das instituições da República. A maioria da população tem pronunciado que não aceita os ataques do presidente às instituições constituídas.

No próximo dia 12 de setembro será realizado um grande ato na Av. Paulista, em São Paulo/SP, pelo impeachment de Bolsonaro, ato que convocamos e participaremos. Nossa linha é, sempre, frente ampla em defesa do Brasil e da democracia!

É hora de decisão e a decisão clara é impeachment já!

São Paulo, 8 de setembro de 2021.

Miguel Torres, Presidente da Força Sindical
Ricardo Patah, Presidente da UGT (União Geral dos Trabalhadores)
Antonio Neto, Presidente da CSB, (Central dos Sindicatos Brasileiros)
José Reginaldo Inácio, Presidente da NCST (Nova Central Sindical de Trabalhadores)

 

- Publicidade -
- Publicidade -

Últimas Notícias

Prefeitura de Londrina libera presença de público em jogos no Estádio do Café

Até 5 mil torcedores poderão acompanhar próximo jogo do LEC.
- Publicidade -

Sugestões do editor

- Publicidade -