- Publicidade -
- Publicidade -

Ricardo Barros é denuncia por esquema de propina no Ministério da Saúde

Trending

Uma nova linha de investigação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI da Pandemia) apura denúncias de pagamentos irregulares mensais de até R$ 296 mil a políticos e servidores ligados ao Ministério da Saúde.

De acordo com reportagem do UOL, a denúncia aponta que o suposto esquema repassava a propina especialmente a políticos, e acontecia desde 2018 no Ministério da Saúde – quando o ministro era o atual deputado e líder do governo Ricardo Barros (PP-PR).

Inclusive, o próprio Ricardo Barros seria um dos beneficiários da mesada. Ele nega isso.

A denúncia foi formulada por uma ex-servidora do ministério, e foi discutido em uma reunião de senadores independentes e da oposição, que aconteceu em 6 de julho na casa do senador Omar Aziz (PSD-AM) que é presidente da CPI da Pandemia.

ENTENDA

Anteriormente, a distribuição de vacinas e de outros insumos pelo governo federal era feita pelo próprio Ministério da Saúde por meio da Cenadi (Central Nacional de Armazenamento e Distribuição de Imunobiológicos), órgão que existiu por cerca de 20 anos.

Já na gestão de Barros, a Cenadi foi extinta em seu lugar, entrou a empresa VTC Operadora Logística LTDA, conhecida como VTCLog.

A companhia passou a assumir a responsabilidade pelo armazenamento, controle e distribuição de todas as vacinas, medicamentos, soros e demais insumos entregues pela União a estados e municípios do país. Segundo um parlamentar que integra a CPI, novas testemunhas relataram a senadores que a “operadora logística” contratada durante a gestão Barros seria um meio para desviar recursos do Ministério da Saúde, inclusive durante a pandemia. (Com informações do Uol).

A VTCLog disse em comunicado que não praticou “nenhum ato ilícito” e que, “até agora”, não recebeu “pelos serviços prestados”. “Nunca houve pedido de propina de ninguém do ministério à VTCLog”.

Um dos possíveis operadores do esquema seria o ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde Adeílson Loureiro Cavalcante, que atuou na pasta durante a gestão de Barros. Além de negar o recebimento da propina, Ricardo Barros disse, que não possui “nenhuma ligação” com a VTCLog e que em sua gestão, tentou contratar os Correios por meio de dispensa de licitação, mas que foi impedido pelo Tribunal de Contas da União (TCU), que exigiu o procedimento licitatório.

- Publicidade -
- Publicidade -

Últimas Notícias

- Publicidade -

Sugestões do editor

- Publicidade -